sexta-feira, maio 28, 2010

Laureano Barros: O homem que fugiu com uma biblioteca - Paulo Moura (Público, 05.07.2009)


Ele planeava tudo. Era organizado, previdente e perfeccionista. Inflexível com a verdade, a liberdade, a independência, o rigor e a pontualidade, exigia-os de si e dos outros. Laureano Barros tinha, portanto, poucos amigos, mas bons. Antes de morrer, fez uma lista das únicas cinco pessoas que deveriam ser avisadas. Arnaldo Sousa era uma delas.

Costumavam combinar encontros, para conversar. Arnaldo, de 46 anos, que é poeta e professor de Filosofia, conduzia até ao portão da Quinta da Fonte da Cova. Estacionava e esperava no carro, olhando para o relógio, até três minutos antes da hora que tinham marcado. Era esse o tempo exacto que levava a chegar, a passo, à porta da casa. Cronometrara-o escrupulosamente. Só então saía. Era um dos contratos que tinham, ao longo de mais de 20 anos de amizade: pontualidade absoluta. Outro era sobre as "datas obrigatórias": era proibido desejar Feliz Natal no dia de Natal, ou dar os parabéns no dia do aniversário. Nessa data, também não se ofereciam presentes.

Outro contrato era a sinceridade. Nunca estariam um com o outro se não o desejassem. Quando fosse preciso dizer não, di-lo-iam sem receio.

Um dia, Arnaldo teve vontade de apresentar Laureano a um psiquiatra seu amigo, que o visitava em Ponte da Barca. Há muito que falava a Zeferino do velho coleccionador de livros Laureano Barros, a pessoa que mais admirava no mundo. Telefonou para a quinta e explicou a sua intenção, cheio de entusiasmo. "Posso levá-lo?"

"Não." Arnaldo poderia ter perguntado porquê, mas ficou satisfeito. Respeitar a vontade do amigo era uma obrigação contratual.

"Não quer saber por que eu disse 'não'?", concedeu Laureano.

"Não, não quero saber. Disse 'não' e isso basta-me."

"Mas eu quero explicar-lhe: é que eu não tenho interesse em conhecer mais ninguém."Resposta implacável. Mas ao mesmo tempo a chave para uma certeza auspiciosa: quando Laureano dissesse "sim", a sua vontade seria genuína.

Recebia Arnaldo para almoçar, com toda a formalidade e etiqueta. Sentava-o a seu lado, mandava servir os pratos que sabia serem os seus predilectos. Ficavam na sala a conversar, durante cinco, seis horas. A empregada, a sr.ª Mariquinhas, entrava apenas quando Laureano tocava a campainha. Por vezes, no Verão, almoçavam na cozinha. Aí, Arnaldo reparou que Laureano lhe oferecia sempre a cadeira onde ele próprio se costumava sentar, em frente à porta, que dava para as árvores da quinta. Uma vez perguntou-lhe e Laureano explicou a razão: "Porque tu és poeta, e os poetas devem ver a natureza."

Falavam de todos os assuntos: literatura, política, filosofia, ciência, a vida e a morte, a amizade e o amor. Laureano era especialista em tudo. Amava a razão, a oratória e o contraditório. Esmiuçava os temas até às últimas consequências. No fim, quando Arnaldo chegava a casa, não era raro ter já vários telefonemas do amigo, que entretanto se lembrara de mais uma achega, mais um argumento. Ligava-lhe e ficavam mais umas horas a debater um pormenor qualquer. Não havia matérias irrelevantes. Todas eram dignas de elucubração e polémica. A escolha do nome de um cão, por exemplo.

Após uma tarde de discussão, decidiram chamar Preto a um novo cachorro da quinta, por causa das manchas escuras que apresentava no pêlo. À noite, porém, Laureano telefonou a Arnaldo. Mudara de ideias. Ali perto, explicou, estavam hospedados, devido às obras da barragem do Alto Lindoso, alguns trabalhadores africanos. Poderiam ficar ofendidos quando ouvissem chamar pelo cão, que acabaria por ser baptizado simplesmente como P, já que, segundo vários livros da especialidade consultados por Laureano, os canídeos só fixam a primeira consoante do nome.

Outro contrato, que também foi cumprido: Arnaldo, que durante algum tempo foi director do jornal da terra, não deixaria que O Povo da Barca desse a notícia da morte de Laureano, quando ocorresse.

A juventude

Foi quando foi viver para o Porto, para frequentar o liceu, que o jovem Laureano Barros começou a comprar livros. Frequentava os alfarrabistas e iniciou uma colecção, tal como fazia com os paliteiros, bengalas, relógios, louças, antiguidades ou alfaias agrícolas. Mas ao contrário de toda a traquitana que sempre gostou de trazer para casa, aos livros ergueu uma fidelidade. Não os vendia, não desistia nem se esquecia deles. Começou a acumulá-los na moradia que o pai lhe comprou para se instalar na cidade, na Foz, continuou a ampliar a colecção enquanto viveu nessa casa com a primeira mulher, Leonor, e depois quando se divorciou dela e das seguintes. De cada vez que se separava da mulher com quem vivia (e foram mais mulheres do que os três casamentos), deixava-lhe tudo: a casa, os móveis, as antiguidades. Mas levava consigo a biblioteca. Eram livros de Matemática, de Filosofia, de Botânica, mas acima de tudo de Literatura Portuguesa, e, cada vez mais, volumes curiosos e raros, obras pouco conhecidas, primeiras edições. Por alguns autores tornou-se obcecado e comprava tudo. Depois estendeu a obsessão a todos os escritores. Comprava e lia, várias vezes, os livros de Camilo, Eça, Pessoa, Torga. Sempre teve insónias, e passava-as a ler. Dono de uma memória prodigiosa, sabia páginas e páginas de cor. Perdia horas a arrumar os livros, a manuseá-los, a acariciá-los.

Para ele, eram um salvo-conduto contra a efemeridade de tudo o resto. E também contra a desilusão, como se nada, além dos livros, estivesse à altura dos padrões de excelência que estabeleceu. Do grau de pureza que cedo definiu para a sua vida.

Tendo concluído a licenciatura em Matemática com alta classificação, Laureano foi logo convidado, com 21 anos, para assistente de Rui Luís Gomes, um dos professores mais prestigiados da Faculdade de Ciências do Porto. A bela colega Leonor Moreira obtivera, no secundário, a segunda melhor classificação a Matemática (19) e ele (que teve 20) casou com ela, quando eram ambos estudantes no curso de Matemática da Faculdade de Ciências. Teriam três filhos: Carlos, Rui e Margarida, futuros médico, arquitecto e professora de Matemática.

Mas Rui Luís Gomes era um antifascista incorrigível. Em 1947, a seguir a vários episódios pouco felizes com a PIDE, foi expulso da faculdade, juntamente com outros dois matemáticos, José Morgado e, claro, o recto e incorruptível Laureano Barros, após terem enviado ao Governo uma carta protestando contra a prisão de uma aluna.

Desempregado, Laureano, então com 26 anos, montou uma sala de explicações, em frente ao mercado do Bolhão. Durante mais de 20 anos, viveu disso e pouco mais. Os rendimentos das propriedades familiares de Ponte da Barca, quando chegavam, convertiam-se imediatamente nalguma edição rara de Camilo ou Eça. O mesmo acontecia com as poucas remessas de Angola, onde o pai entretanto se estabelecera e constituíra outra família. Qualquer dinheiro extra era aplicado em extravagâncias bibliófilas, que incluíam, por exemplo, contratar um estudante para lhe catalogar a biblioteca.

Foi o primeiro emprego de Alexandre Outeiro. Laureano Barros pagava ao jovem de Ponte da Barca a estadia numa pensão, mais um salário simbólico, para ele passar os dias a fazer fichas dos livros no T2 que, depois de se divorciar pela segunda vez, arrendara na Rua de Sá da Bandeira. Alexandre cumpria o seu horário de trabalho sozinho no apartamento, mas por volta do meio-dia recebia um telefonema de Laureano convidando-o para o almoço num restaurante, onde passaria a refeição a falar-lhe de livros, cultura e aventuras.

Alexandre ficou a saber, maravilhado, como Laureano, que nunca foi comunista, deu guarida, na casa da Foz, ao militante comunista na clandestinidade Rogério de Carvalho, ou como se encontrou, a meio da noite, num pinhal em Vila do Conde, com a linda militante clandestina do PC Cândida Ventura, que ele não conhecia, para lhe passar uma pasta com documentos secretos. Ou ainda como numa aldeia chamada S. Martinho da Anta havia um velho olmo negro, descrito por Miguel Torga...

Nesta altura já Laureano e Alexandre eram amigos, e davam passeios de vários dias pelo Norte do país, a convite de Laureano, que pagava comidas e dormidas, mas no carro de Alexandre, porque o outro nunca teve carta de condução. Mesmo assim, Alexandre sabia que tinha de chegar ao encontro com o amigo à hora exacta que haviam marcado. Se se atrasasse um minuto, Laureano era capaz de, zangado, ir sem abrir a boca do Porto a Braga. "Ele exagerava", admite Alexandre Outeiro, que é hoje director de uma delegação da Caixa Geral de Depósitos em Gaia. "E sabia que exagerava. Mas era assim. Um homem de um rigor extremo, em tudo o que fazia."

A biblioteca

Depois do 25 de Abril de 1974, Rui Gomes da Silva regressou do exílio no Brasil para ser nomeado reitor da Universidade do Porto. A primeira coisa que fez foi convidar Laureano para dar aulas na Faculdade de Ciências. Relutante, ele aceitou, mas, por discordar dos arbitrários saneamentos de professores, demitiu-se meses depois. Ainda voltou às explicações e leccionou num colégio, mas não se adaptou à balbúrdia da época e, após a morte do irmão, Joaquim, em 1976, mudou-se definitivamente para Ponte da Barca. Ia no terceiro casamento, com a professora de Francês Maria José Caleijo, que continuou a viver no apartamento de Sá da Bandeira. Os livros, esses, viajaram com Laureano. Agora, que herdara a casa grande da família, tinha espaço para eles.

Primeiras edições de Fernão Mendes Pinto, Camões, Vieira, Verney, Eça, Pessoa, Antero ou António Nobre, obras juvenis de Guerra Junqueiro, Torga ou José Gomes Ferreira, edições raras de poetas quinhentistas de Ponte da Barca - a biblioteca começou a crescer em majestade, a tornar-se maior do que si própria, misteriosa e imortal, exigindo reverência e devoção. Laureano foi ficando solitário. Ninguém sabe ao certo porquê.

Laureano Alves, primo de Laureano Barros, acha que ele se tornou um homem desiludido. "Passava muito tempo sozinho, embora adorasse conversar." O comportamento dos outros entristecia-o. Principalmente o dos mais comprometidos com o mundo. Por isso foi cortando elos. Recusou tudo o que lhe ofereceram. Foi convidado para professor catedrático da Faculdade de Ciências, como se tivesse leccionado durante todo o tempo desde a expulsão, em 1947. Não achou justo. Aceitou o cargo de director da Escola Secundária de Ponte da Barca, mas por pouco tempo. Segundo uma investigação que instaurou, descobriu serem falsos os atestados médicos que uma professora apresentava para faltar às aulas. Como ela não foi demitida, alegadamente por ter amizades no Ministério da Educação, Laureano pediu a reforma. Mais uma vez, recusou que lhe fosse contado o tempo de serviço desde a sua expulsão da Função Pública, como tinha direito, pelo que ficou com uma pensão miserável.

"Para ele, tudo tinha de ser perfeito", explica o primo.

Não facilitava. Essa era provavelmente a razão por que, sendo um amante da literatura, não escrevia. "O que fizesse teria de ser perfeito. Até uma carta, demorava semanas a escrevê-la. Esse perfeccionismo paralisava-o. E, no entanto, escrevia muito bem." Também terá sido por causa do perfeccionsmo e obsessão pela verdade que não conseguiu manter nenhum casamento, explica um amigo. Não suportava situações menos que perfeitas, e não conseguia mentir: de cada vez que tinha uma infidelidade, contava logo, o que acabava por levar à separação. Mas continuou amigo de todas as ex-mulheres.

A última, Maria José Caleijo, foi companheira até à sua morte, durante 45 anos, apesar de tudo. A certa altura, por imperativos de coerência, divorciaram-se, embora tivessem continuado juntos.

A solidão

Laureano isolou-se em Ponte da Barca, onde passaria os últimos 30 anos de vida. Fugia das pessoas, e ao mesmo tempo procurava-as. Os outros surgiam-lhe como entidades algo imateriais e o encontro com eles não raro o fazia sentir-se perdido.

Para não se desiludir, preferia por vezes manter à distância aqueles de quem gostava, ignorando a crueldade da atitude. Quando Margarida, a filha, regressou de Inglaterra, onde, muito jovem, fora fazer o doutoramento em Matemática, Laureano fez tudo para que ela não o fosse visitar. Tinha medo que ela tivesse voltado muito esquerdista, e que se zangassem à primeira discussão. Fizera tudo, aliás, para que ela não seguisse Matemática, receando que não conseguisse. Margarida empenhou-se em mostrar que ele estava enganado, concluindo a licenciatura com média de 17.

Talvez cultivasse o relacionamento com os que se prestavam a ser amigos imaginários, metáforas de si próprios. Dizem os psicólogos que os coleccionadores compulsivos sofrem de incapacidade de lidar com os outros. Se isso é verdade, os livros, metáforas perfeitas da vida, são a colecção ideal do filantropo solitário.

No entanto, Laureano tornou-se amigo de pessoas que admirava. Lagoa Henriques, Óscar Lopes, Costa Gomes, que foi seu colega de faculdade. O general era visita regular da Quinta da Fonte da Cova, até quando foi Presidente da República (Laureano chegou a enviar-lhe uma carta criticando-o pelas cedências aos comunistas), e o mesmo acontecia com vários intelectuais e artistas, alguns bem pouco convencionais, como Luís Pacheco ou Eugénio de Andrade. Nestes, o austero e rígido Laureano apreciava a liberdade e a capacidade de surpreender. Mas mais tarde ou mais cedo a tolerância levava à colisão.

Eugénio passava grandes temporadas na quinta. Sentia-se em casa e dava largas às suas muitos próprias jovialidade e loucura. Mas quando a mãe de Laureano morreu, não mostrou grande consternação, explicando simplesmente que não gostava de funerais.

Uma vez, numa festa, Laureano apresentou-lhe uma personalidade de Ponte da Barca, um sujeito baixo e gordo que sorria de deferência para com o poeta. Eugénio apertou-lhe a mão - "Muito prazer!" - mas ao mesmo tempo disse para o lado, alto e bom som: "Isto é um homem ou é um cagalhão?"Foi de mais.

Laureano cortou com ele relações, que só viria a reatar, décadas depois, pouco antes da morte do amigo.

A vida na quinta

Em Ponte da Barca, Laureano era amado e odiado, e retribuía ambos os sentimentos. As eminências locais tinham a noção de ter ali uma personalidade de craveira nacional, e tentavam aproveitar-se, oferecendo-lhe cargos e medalhas. Laureano nunca aceitou, alegando que nada fizera pela terra, o que não podia ser mais verdade.

Limitava-se a ser um exemplo, o que nem sempre era devidamente apreciado. Para desconforto de muita gente, a legalidade fiscal era uma das obsessões de Laureano. Quase uma doença. Pagava tudo antes do tempo e até mais do que devia, para não correr o risco de errar. Não admitia a mínima batota. Nas transacções de propriedades, era comum assinar-se a escritura por um valor inferior ao real, para pagar menos imposto. Laureano recusava-se, o que lhe impediu alguns negócios. Mas não cedia. Uma vez, quis vender uma das terras da família por 100 mil euros. O comprador aceitava o preço, desde que se fizesse escritura por 10 mil. Laureano fez um acordo: pagaria ele próprio o montante do imposto de transacção correspondente a 90 mil euros, que era devido ao outro. Foi aceite e o negócio fez-se.

Intransigente em relação à dignidade das pessoas, Laureando comia com os seus trabalhadores à mesma mesa, o que muitos consideravam esquisito.

Foi também o primeiro, na região, a fazer descontos para a reforma e segurança social dos trabalhadores. Os outros agricultores sentiram-se prejudicados com este precedente e nomearam um representante para interceder junto de Laureano. Quando aquele chegou à quinta sugerindo, com falinhas mansas, que o "senhor doutor", pelo menos, descontasse para a segurança social apenas um dia ou dois, e não a semana inteira, foi corrido com insultos.

A Quinta da Fonte da Cova era um oásis de legalidade. E de alguma loucura também.

Os "meninos"

O patrão achava que devia iniciar os empregados no mundo da bibliofilia e da cultura. Lia para eles, convocava-os para sessões temáticas nos aposentos por onde se distribuía a biblioteca: a sala, a salinha, o quartinho ou mesmo a saleta. Por vezes, anunciava-lhes que iam dar um passeio. Chamava então Arlindo, o seu taxista de serviço, e partiam para um tour literário pelas aldeias do Gerês. No fim, jantavam todos no Restaurante Elevador, no Bom Jesus de Braga. Previamente informado, o gerente reservava uma mesa num recanto discreto, para que o grupo (de "secretários", como Laureano os apresentava) não assustasse os clientes normais do luxuoso restaurante. E lá iam, o Nelinho, o Carlos, o Nuno, o Gi e todos os jornaleiros da quinta, incluindo o lenhador José Corga, que carecia de uma indicação especial à cozinha do restaurante. Corga era um fenómeno: só comia batatas (em dias de festa, com bacalhau - era a sua única concessão), mas não em doses normais. Precisava de um prato especial, de Viana, onde coubesse "meia quarta" (o equivalente a três quilos) de batatas cozidas. Repudiava, aliás, a ideia de que alguém conseguisse comer mais do que ele.

Laureano, que se maravilhava com os prodígios da Natureza, gostava de encorajar e exibir este apanágio do empregado. Por isso, no Elevador, o senhor Corga tinha direito ao seu prato especial de batatas.

O "senhor" Corga. Laureano tratava toda a gente por "senhor". Até um pobre que ia lá a casa levar a carne do talho merecia sempre um "Obrigado, senhor Manuel". Para o Nelinho, isto era pura magia. Nunca tinha visto nada assim. Laureano tinha o estranho poder de elevar as pessoas. De transformar um zé-ninguém num senhor. "

O doutor foi a pessoa mais honesta e culta que conheci à face da terra", diz Manuel Rocha, a quem Laureano chamava Nelo, ou Nelinho, que hoje tem 36 anos, mas está na quinta desde criança. "Ele para mim era tudo. Sempre pensei: com este homem, não preciso de mais nada."

Nelo era uma das várias crianças que trabalhavam ou habitavam na Quinta da Fonte da Cova, tais como o seu irmão, Carlos, o Nuno Leitão ou o Moisés Cerqueira (conhecido como o "Gi"), ou os sobrinhos mulatos de Laureano (filhos dos seus meios-irmãos de Angola), que lá iam passar férias.

O pai de Nelo fora jornaleiro na quinta. Levava-o para lá na época da apanha da maçã, trabalho que requeria gente pequena e leve. Mas um dia emigrou para França e deixou com o "doutor" os filhos, Nelo e Carlos. O "doutor Manuel" e o "engenheiro Carlos", como Laureano passou a designá-los, celebrando o talento para a conversa de um e o jeito de mãos do outro.

Carlos, com efeito, acabaria por arranjar emprego como mecânico de máquinas, e passou a ir à quinta apenas às quartas-feiras, almoçar. Nelo continuou a viver lá, até à morte de Laureano, no ano passado. Encarregava-se de vários trabalhos na quinta, mas também tomava conta da biblioteca e, acima de tudo, tornou-se discípulo, amigo e confidente do patrão. "Nelinho, hoje o dia já está ganho, vamos conversar", chamava Laureano. "Nelinho, comprei um livro novo, vamos vê-lo". E Nelo interrompia o trabalho na quinta, sentava-se na salinha. "Isto, Nelinho, fica só entre nós. Não sai daqui", dizia-lhe Laureano, depois de contar uma visita a um alfarrabista ou a um leilão para adquirir um certo livro raro.

Nelo percebera que a biblioteca se tornara muito valiosa, e não convinha que isso constasse. Era um segredo que guardava. "Nelinho, hoje vamos tirar os livros daquela prateleira. Vamos vê-los." Ou então: "Vai ali à saleta, à segunda prateleira da estante do meio, encostada à janela, tira o terceiro livro a contar do lado norte para sul. Abre na página 153..."

Nelo abria e Laureano, da outra sala, começava a dizer o texto de cor, excertos enormes de Camilo ou Pessoa. Conhecia ao pormenor cada um dos seus livros e sabia exactamente onde se encontrava.

Um dia, Nuno Leitão, que trabalhou na quinta mas depois estudou Informática de Gestão, ofereceu-se para catalogar toda a biblioteca em computador. Laureano agradeceu, mas não precisava: tinha os ficheiros todos na cabeça.

Nuno chegou a viver na Fonte da Cova, mas acabou por ir estudar, encorajado por Laureano. O "Gi", que foi criado na quinta, sairia para casar e arranjar emprego como serralheiro.

A família dele, muito pobre, vivia numa casa em frente. Eram oito irmãos, que cedo se fizeram aos caminhos do fracasso ou do crime. Para lhe dar um futuro alternativo, a mãe de "Gi" pô-lo a viver na quinta, aos seis anos.

Ele e o Nelo, bem como o Carlos e o Nuno, eram como filhos de Laureano. Os seus "meninos", dizia ele. Todos falam do "doutor", hoje, com incondicional afecto e uma orgulhosa emoção. A exaltação quase fanática, possessiva, de quem sente ter tocado uma esfera superior da existência. "Faço questão de ser como ele, na minha vida", diz o Nelinho. "Em cada situação, penso: se o senhor doutor fosse vivo, faria assim. E tento fazer igual."

Não é fácil entender que tipo de influência Laureano exerceu sobre os espíritos destes jovens. Mas basta falar um pouco com eles para perceber que ainda lhe estão submetidos. Têm uma transparência comovente no olhar, que nos faria confiar-lhes a própria vida, sem hesitação.Não que Laureano tenha sido condescendente com eles. Mas talvez por isso mesmo. "Gi" não teve uma relação fácil com o "doutor", que se zangava, e lhe batia, se ele chegava tarde a casa. Para o punir, mandava a Mariquinhas cozinhar favas com carne, o prato que "Gi" detestava. Uma vez, por ele ter ido ver as cheias do rio e não comparecer a horas no trabalho, deu-lhe uma bofetada. "Gi" fugiu para casa dos pais. No dia seguinte, Laureano telefonou-lhe a pedir que voltasse.

Acima de tudo, irritava-se por o seu "menino" não levar os estudos a sério. Ele ia, no entanto, concluir com êxito o secundário, não tivesse Laureano, que era na altura director da escola, irrompido pela reunião de professores, expressamente para não os deixar aprovar o "Gi". "Eu estou com ele em casa e vejo que ele não estuda", garantiu o director. "Gi" chumbou e foi trabalhar como serralheiro. Mas não ganhava o suficiente e teve de emigrar para Andorra, porque o "doutor", com os seus rígidos princípios, se recusou a meter uma cunha para lhe arranjar um emprego.

Já o Nelo não quis continuar os estudos, nem empregar-se, para ficar com Laureano. "No meu íntimo, eu sentia que não podia deixar o doutor. Achava que ele precisava de mim", explica o Nelo, que ainda continua na quinta, sem saber que ela vai ser vendida. "A minha filosofia de vida era: enquanto o doutor for vivo, eu fico com ele."

Parece que os dois competem pela maior dedicação a Laureano. "Gi" conta que passou muitos Natais sozinho com ele, quando nem os filhos o vinham visitar. E que, pouco antes da sua morte, era ele quem lhe dava banho.

Nelo e "Gi" contam cheios de vaidade estas compassivas intimidades, como se defendessem um fundamental património humano.

Laureano dissera à empregada: "Maria, se eu morrer, chama os meninos, para virem ajudar." Foi nessa altura que escreveu a lista de quem deveria ser avisado e as regras para o funeral, que incluíam ser enterrado sem caixão, sem discursos e sem cerimónia religiosa, de preferência na quinta (vontade que, obviamente, não pôde ser cumprida).

Nos últimos tempos de vida, aliás, depois de ter ficado doente, Laureano começou a preocupar-se com a posteridade. Não teve nenhuma fraqueza religiosa - manteve-se agnóstico até ao fim - mas passou a tomar disposições. Uma delas fora o divórcio com Maria José Caleijo, para não causar aos filhos problemas com a herança. Margarida, aliás, que só soube pelos jornais do casamento do pai, foi convidada formalmente para um almoço de divórcio.

Depois, Laureano doou todos os bens aos filhos. Quis poupá-los a burocracias e eventuais contendas. Organizado e precavido como era, passou os últimos anos a preparar o seu desaparecimento. Distribuiu as casas e os terrenos pelos três filhos, mas a sua grande preocupação eram, obviamente, os livros.

"Este ficará para a minha filha", ia dizendo ao Nelinho, "esta colecção para o Carlos...", mas à medida que se aproximava do fim, e ia perdendo o interesse por tudo excepto pelos livros, apercebia-se também de que os filhos não queriam a biblioteca.

Pensou em várias soluções - doar as obras a uma instituição, criar uma fundação (ideia do filho Carlos). Mas nenhuma lhe agradou. Por fim, deixou de pensar no assunto. Mergulhou numa estranha apatia, uma inconsciência meticulosa e desesperada, que apenas aos seus "meninos" era visível. E os fazia sofrer.

Como pôde aquele homem que tudo calculava e tudo prevenia ter cometido um erro tão grosseiro? No seu afã de tudo medir pela beleza dos livros, de sublimar neles os seus dias e o seu futuro, nunca lhe passou pela cabeça que a biblioteca pudesse não ser eterna.

Mas não deixou, mesmo sabendo (e decerto aceitando) que em breve tudo aquilo seria vendido em leilão, de folhear, tratar e acariciar os seus livros, com a leveza confiante com que uma criança diz adeus a quem ama. A mesma com que, pouco depois, as mãos grossas e calejadas do "Gi" lhe seguraram o rosto que partia.

http://www.publico.pt/Cultura/laureano-barros-o-homem-que-fugiu-com-uma-biblioteca_1390333
ou

Biblioteca do Dr. Laureano Barros (Terceira parte) - Livraria Manuel Ferreira

CaCatálogo do volume II (27 a 29 de Maio)
http://www.livrariaferreira.pt/

A qualidade desta terceira e última parte do leilão desta biblioteca excede qualquer palavra.
Embora atrasado não quis deixar de colocar um simples post sobre este grande evento.
A Livraria Manuel Ferreira está de parabéns pela organização e acima de tudo pelos magníficos catálogos, sob a mestria de Manuel Ferreira.
Mas não podemos deixar de mencionar o grande bibliófilo que formou esta inigualável biblioteca:
Dr. Laureano de Barros.

Relaçaõ e descripçaõ de Guiné (...) - André Alvares d' Almada (1733)

Almada, André Alvares d' - Relaçaõ e descripçaõ de Guiné : na qual se trata das varias naçoens de negros, que a povoaõ, dos seus costumes, leys, ritos, ceremonias, guerras, armas, trajos, da qualidade dos portos, e do commercio, que nelles se faz, Lisboa Occidental : Na Officina de Miguel Rodrigues, 1733.
Sobre este autor vide a recensão crítica feita por José Manuel Garcia, aquando de uma reedição desta obra em 2006:
André Álvares de Almada foi o primeiro escritor luso-caboverdiano, pois nasceu no século XVI na ilha de Santiago, Cabo Verde, sendo filho do capitão Ciprião Álvares de Almada, "nobre e um dos principais daquela ilha" e de uma "mulher parda", e "neto de uma mulher preta por parte de sua mãe". Esta personalidade, fruto da miscigenação dos Descobrimentos, foi "capitão" e comerciante nas ilhas de Cabo Verde e na Guiné, e, em 1598, foi recompensado com o hábito de cavaleiro da Ordem de Cristo. Destacou-se nos anais da historiografia portuguesa da expansão porque, em 1594, nos deixou um precioso manauscrito com um Tratado breve dos rios de guiné do cabo verde des do Rio de Sanaga ate os baixos de Santa Anna; de todas as nações de Negros q(ue) ha na ditta costa, e de seus Costumes, armas, trajes, juramentos, guerras, que apenas foi editado em 1733 de forma deficiente e em 1841 correctamente por Diogo Kopke, tendo-se-lhe depois seguido outras edições, de que a última é a que aqui se apresenta. O presente livro corresponde à reedição de uma obra que em 1994 foi publicada pelo Grupo de Trabalho do Ministério da Educação para Comemorações dos Descobrimentos Portugueses (com introdução, modernização do texto e notas de António Luís Ferronha) que, juntamente com a Comissão dos Descobrimentos, divulgou uma parte importante da Cultura Portuguesa, missão agora apenas mantida pela Comissão Municipal dos Descobrimentos, da Câmara Municipal de Lagos. O Tratado de André Álvares de Almada é um clássico para o conhecimento da história de regiões e povos africanos na África Ocidental, nas suas vertentes etnográfica, antropológica, histórica, geográfica e económica.

Histoire critique de la grande entreprise de Christophe Colomb (...) - Henry Vignaud (1911)

Vignaud, Henry - Histoire critique de la grande entreprise de Christophe Colomb : comment il aurait conçu et formé son projet, sa présentation à différentes cours, son acceptation finale, sa mise a exécution, son véritable caractère, Tome Premier 1476-1490, Paris : H. Welter, 1911.
http://www.archive.org/details/histoirecritique01vign

Vignaud, Henry - Histoire critique de la grande entreprise de Christophe Colomb : comment il aurait conçu et formé son projet, sa présentation à différentes cours, son acceptation finale, sa mise a exécution, son véritable caractère, Tome Deuxième 1491-1493, Paris : H. Welter, 1911.
http://www.archive.org/details/histoirecritique02vign

Vide entre outras as referências à Madeira, Porto Santo, Bartolomeu Perestrello, Filipa Moniz Perestrello.

Breve noticia sobre o descobrimento da America - A. C. Teixeira de Aragão (1892)

Aragão, A. C. Teixeira de (Augusto Carlos Teixeira) - Breve noticia sobre o descobrimento da America, Lisboa : Typ. da Academia Real das Sciencias, 1892.
http://www.archive.org/details/brevenoticiasobr00arag

Obra com algumas referências à Madeira.

Notions on the chorography of Brazil - Joaquim Manuel de Macedo (1873)

Macedo, Joaquim Manuel de - Notions on the chorography of Brazil, Leipzig : F. A. Brockhaus, 1873.
http://www.archive.org/details/notionsonchorogr00mace

quinta-feira, maio 27, 2010

Les faux Don Sébastien; étude sur l'histoire de Portugal - Miguel Martins de Antas (1866)

Antas, Miguel Martins de - Les faux Don Sébastien; étude sur l'histoire de Portugal, Paris : Chez Auguste Durand, libraire, 1866.
http://www.archive.org/details/lesfauxdonsbas00anta

Chronica do muito alto, e muito esclarecido Principe D. Sebastião Decimo Sexto Rey de Portugal - Manuel de Menezes (1730)

Bayão, José Pereira; Menezes, Manuel de - Chronica do muito alto, e muito esclarecido Principe D. Sebastião Decimo Sexto Rey de Portugal / composta por D. Manoel de Menezes Chronista mòr do Reyno, e General da Armada Real, &c. Primeira Parte, que contém os sucessos deste Reyno, e Conquistas em sua menoridade..., Lisboa Occidental : Na officina Ferreyriana, 1730.
http://www.archive.org/details/chronicadomuitoa00bayuoft

Don Sebastian; or, The House of Braganza an historical romance - Anna Maria Porter (1809)

Porter, Anna Maria - Don Sebastian; or, The House of Braganza an historical romance, em quatro volumes, London : Printed for Longman, Hurst, Rees, and Orme, Paternoster Row, 1809.


Volume 1

Volume 2

Volume 3

Volume 4

Colleçam das antiguidades de Evora (...) - André de Resende, Bento José de Sousa Farinha (1785)

Resende, André de; Vasconcellos, Diogo Mendes de; Estaço, Gaspar; Brito, Bernardo de; Faria, Manoel Severim de; Farinha, Bento José de Sousa - Colleçam das antiguidades de Evora / escriptas por Andre de Resende, Diogo Mendes de Vasconcellos, Gaspar Estaço, Fr. Bernardo de Brito e Manoel Severim de Faria ; feita por Bento José de Souza Farinha, Lisboa : na Officina de Filipe da Silva e Azev., 1785.
http://www.archive.org/details/colleamdasanti00reseuoft

Libri quatuor De antiquitatibus Lusitaniae - André de Resende (1593)

Resende, André de - Libri quatuor De antiquitatibus Lusitaniae / á Lucio Andrea Resendio olim inchoati & Iacobo Menoetio Vasconcello recogniti atq[ue] absoluti... Accessit liber quintus De Antiquitate municipij Eborensis / ab eodem Vasconcello conscriptus...., Eborae : excudebat Martinus Burgensis, 1593.
http://www.archive.org/details/libriquatuordean00rese

Deuses da Deuses da Lusitânia : resposta ás fantasias de um censor - J. Leite de Vasconcellos (1913)

Vasconcellos, J. Leite de (José Leite) - Deuses da Lusitânia : resposta ás fantasias de um censor, Lisboa : Livraria Classica Editora, 1913.
http://www.archive.org/details/deusesdaluistn00vasc

Estudos de Philologia Mirandesa - J. Leite de Vasconcellos (1900-1901)

Vasconcellos, J. Leite de (José Leite) - Estudos de Philologia Mirandesa, Volume I, Lisboa: Imprensa Nacional, 1900.

Vasconcellos, J. Leite de (José Leite) - Estudos de Philologia Mirandesa, Volume II, Lisboa: Imprensa Nacional, 1901.

quarta-feira, maio 26, 2010

Annuario para o estudo das tradições populares portuguezas - J. Leite de Vasconcellos (1882)

Vasconcellos, J. Leite de (José Leite) - Annuario para o estudo das tradições populares portuguezas, 1º Anno 1883, Porto : Livrario Portuense de Clavel & Cª, 1882.
http://www.archive.org/details/annuarioparaoes00vascuoft


Tem alguns breves textos sobre a Madeira, de entre eles devo salientar a recensão crítica ao livro de Álvaro Rodrigues de Azevedo (Romanceiro do Archipelago da Madeira, Typ. da Voz do Povo, 1880) nas págs. 72-74.
Sendo curiosa a notícia inserida na pág. 94: «O snr. A. Rodrigues de Azevedo tem prompto para a imprensa tres volumes sobre o cancioneiro do archipelago da Madeira.»
Desconheço não só a publicação dos mesmos, como da existência dos manuscritos. Quem sabe talvez apareçam nalgum arquivo obscuro do esquecimento.

O texto dos Lusiadas, segundo as ideias do Snr. F. Gomes de Amorim (...) - J. Leite de Vasconcellos (1890)

Vasconcellos, J. Leite de (José Leite) - O texto dos Lusiadas, segundo as ideias do Snr. F. Gomes de Amorim; esboço de critica philologica, Porto, Livraria Portuense, 1890.
http://www.archive.org/details/otextodoslusiada00vascuoft

Religiões da Lusitania na parte que principalmente se refere a Portugal - J. Leite de Vasconcellos (1897)

Vasconcellos, J. Leite de (José Leite) - Religiões da Lusitania na parte que principalmente se refere a Portugal, Volume I, Lisboa : Imprensa Nacional, 1897.
http://www.archive.org/details/religiesdalusi01vascuoft

Textos Archaicos (...) - J. Leite de Vasconcellos (1907)

Vasconcellos, J. Leite de (José Leite) - Textos Archaicos, para uso da aula de philologia portuguesa estabelecida na Bibliotheca Nacional de Lisboa por portaria de 31 de Dezembro de 1903: coordenados, annotados e providos de um glossario, 2ª edição ampliada, Lisboa, Livraria Classica Editora, 1907.
http://www.archive.org/details/textosarchaicosp00vascuoft

Sur les religions de la Lusitanie (...) - J. Leite de Vasconcellos (1892)

Vasconcellos, J. Leite de (José Leite) - Sur les religions de la Lusitanie : Abrégé d'un mémoire destiné à la 10. session du Congrès international des orientalistes, Lisbonne : Imprimerie Nationale, 1892.
http://www.archive.org/details/surlesreligionsd00vasc

Historia do Museu Etnologico Português (1893-1914) - J. Leite de Vasconcellos (1915)

Vasconcellos, J. Leite de (José Leite) - Historia do Museu Etnologico Português (1893-1914), Lisboa : Imprensa Nacional, 1915.
http://www.archive.org/details/historiadomuseue00vasc

"Emblemas" de Alciati explicados em português (...) - J. Leite de Vasconcellos (1917)

Vasconcellos, J. Leite de (José Leite) - "Emblemas" de Alciati explicados em português; manuscrito do seculo XVI-XVII ora trazido a lume, Porto: Renascença Portuguesa, 1917.
http://www.archive.org/details/emblemasdealciat00vascuoft

terça-feira, maio 25, 2010

O Archipelago das Selvagens - Ernesto Vasconcellos (1917)

Vasconcellos, Ernesto - «O Archipelago das Selvagens», in Folhas d'ouro, gentilmente collaborado por excriptores e artistas portuguezes: (album litterario e artístico), Porto, Carlos de Vasconcelos, 1862-1945, ed. lit.; Jorge, Ricardo, 1858-1939, ed. lit., Lisboa: Typ. dos Caminhos de Ferro do Estado, 1917, págs. 331 - 337.
De entre os muitos colaboradores desta obra temos de destacar o texto da autoria de Ernesto Vasconcelos sobre as ilhas Selvagens.

segunda-feira, maio 24, 2010

Madeira, Cabo-Verde e Guiné - João Augusto Martins (1891)


Martins, João Augusto - Madeira, Cabo-Verde e Guiné, Lisboa: Livraria de Antonio Maria Pereira, 1891.

Dipteren der Insel Madeira - Theodor Becker (1908)

Becker, Theodor - Dipteren der Insel Madeira, [Berlin : Zoologisches Museum], 1908.

A diffamação dos livreiros sucessores de Ernesto Chardron - Camilo Castelo Branco (1886)

Branco, Camilo Castelo - A diffamação dos livreiros sucessores de Ernesto Chardron, Porto : Imprensa Civilisação, 1886.

Memoria ácerca dos Portuguezes na Abysinia - Visconde de Soveral (1894)

Soveral, Luiz Augusto Pinto (Visconde de Soveral) - Memoria ácerca dos Portuguezes na Abysinia, Porto, Typographia do "Commercio do Porto", 1894.

Glossário sucinto para melhor compreensão de Aquilino Ribeiro - Elviro da Rocha Gomes

Gomes, Elviro da Rocha - Glossário sucinto para melhor compreensão de Aquilino Ribeiro, Porto : Depos. Porto Editora, [D. L. 1959]

A Lenda de Sagres - J. Tomé da Silva (1914)

Silva, J. Tomé da - A Lenda de Sagres, Porto : Tip. Porto-Gráfico, 1914.

domingo, maio 23, 2010

Domingos Caldas Barbosa.O poeta da viola, da modinha e do lundu (1740-1800) - José Ramos Tinhorão (2004)

Domingos Caldas Barbosa
O poeta da viola, da modinha e do lundu (1740-1800)

José Ramos Tinhorão

240 p. - 14 x 21 cm

ISBN 85-7326-297-4
2004

Mulato nascido no Rio de Janeiro em 1740, filho de um funcionário real português com uma escrava de Angola, Domingos Caldas Barbosa é um símbolo da miscigenada cultura de nosso país. Formado no Colégio dos Jesuítas do antigo Morro do Castelo, serviu na fronteira sul do Brasil como soldado para depois ingressar, já em Portugal, na prestigiosa Universidade de Coimbra. Com a morte do pai, perde a condição econômica e passa então a viver unicamente de seu talento de poeta e compositor, destacando-se entre seus pares portugueses graças a seu estilo inovador que, transitando da boemia das ruas ao Arcadismo das cortes, foi pioneiro em incorporar as influências rítmicas trazidas do Brasil. Neste livro, José Ramos Tinhorão rastreou vida e obra do autor da Viola de Lereno para encontrar, entre novos dados biográficos e escritos inéditos localizados, sua face mais importante: a de um precursor da música popular brasileira.

Sobre o autor

Um dos principais historiadores da música brasileira, José Ramos Tinhorão nasceu em Santos, em 1928, e se criou no Rio de Janeiro. Formou-se na primeira turma do primeiro curso de jornalismo no Brasil. Desde cedo colaborou em diversas publicações, como as revistas Da Semana, Veja e Nova e os jornais Diário Carioca e Jornal do Brasil. Em 1966 estreia em livro com Música popular: um tema em debate e A província e o naturalismo. Desde então, publicou quase trinta livros, boa parte dos quais pela Editora 34.

Seu rico acervo de discos, partituras, fotos e livros foi adquirido pelo Instituto Moreira Salles, que desde 2001 o colocou à disposição dos interessados na Coleção José Ramos Tinhorão.

Sobre esta obra poderá consultar:

Almanak das musas (...) - Domingos Calda Barbosa (1793)

Barbosa, Domingos Caldas - Almanak das musas, Nova colecção de Poezias offerecido ao genio portuguez, Parte I, Lisboa : Na officina de Filippe Joze de França, 1793.

Barbosa, Domingos Caldas - Almanak das musas, Nova colecção de Poezias offerecido ao genio portuguez, Parte Segunda, Lisboa : Na officina de Antonio Gomes, 1793.

Barbosa, Domingos Caldas - Almanak das musas, Nova colecção de Poezias offerecido ao genio portuguez, Parte III, Lisboa : Na officina de João António da Silva, 1793.

Barbosa, Domingos Caldas - Almanak das musas, Nova colecção de Poezias offerecido ao genio portuguez, Parte IV, Lisboa : Na officina de João António da Silva, 1793.

Da prostituição na cidade de Lisboa (...) - Francisco Ignacio dos Santos Cruz (1841)

Cruz , Francisco Ignacio dos Santos -  Da prostituição na cidade de Lisboa; ou Considerações historicas, hygienicas e administrativas em ...