domingo, maio 31, 2009

35ª Feira do Livro do Funchal

Encerra hoje a 35ª Feira do Livro organizada pela Câmara Municipal do Funchal.
Última oportunidade para adquirir obras a preços promocionais.


sábado, maio 30, 2009

«Bibiliografia da Drª Benedita Câmara»

Publicações

a) Artigos e capítulos em livros

  • 1 - A Madeira e o Proteccionismo Sacarino, Análise Social, 145, 4ªsérie, vol.XXXIII, 1998-1º.
  • 2 - O Vinho da Madeira: 1850-1914 in Alberto Vieira (coord.), Os vinhos Licorosos e a História, Funchal, Centro de Estudos de História do Atlântico/ Secretaria Regional do Turismo e Cultura, 1998.
  • 3 - A Concentração Industrial do Sector Açucareiro Madeirense (1900-1918) in Alberto Vieira (coord.), História e Tecnologia do Açúcar, Centro de Estudos de História do Atlântico/ Secretaria Regional do Turismo e Cultura, 2000.
  • 4 - Hinton and Sugar Protection in Madeira (1895-1918), Proceedings of European Business Association, Roterdam, September, 1999.
  • 5 - O Vinho Marsala e o Vinho da Madeira (1870-1914), Douro – Estudos e Documentos, CEHVID, Porto, nº 10, Setembro de 2001.
  • 6 - A cultura do vinho da Madeira (1850-1914), in Rosso, Javier Maldonado (ed.) Actas del I Symposion de la Associación International de Historia y Civilización de la Vid y del Vino, vol. II, El Puerto de Santa Maria, 2002, p. 631-639.
  • 7 - The Thourism Industry in Madeira (1850-1914) apud Laurent Tissot (dir.), Development of Tourist Industry in the 19th and 20th Century. International Perspectives, Editions Alphil, 2003, p. 343-358.
  • 8- Relações com o exterior, Pedro Lains e Álvaro Ferreira da Silva (Dir.História Económica de Portugal, Vol. II – O século XIX (1830-1914), Lisboa, Instituto de Ciências Sociais, 2005, p. 337-356.
  • 9- The Portuguese Civil Code and the colonia tenancy contract in Madeira (1867–1967), Continuity and Change, Volume 21, Issue 02, Aug 2006, pp 213-233.
LIVROS
  • - A Economia da Madeira (1850-1914), Lisboa, Imprensa de Ciências Sociais, Instituto de Ciências Sociais, 2002.
  • - Do Agrarismo ao Liberalismo. Francisco Soares Franco: Um Pensamento crítico, Lisboa, Instituto Nacional de Investigação Científica, Colecção de Cultura Moderna e Contemporânea, nº4, 1989.
Artigos e capítulos no Prelo:
  • The evolution of the Portuguese Hotel Sector (1950-1995), in «Europe at the seaside. The Economic History of Mass Tourism in the Mediterranean Sea», Luciano Segreto and Carles Manera (org) submitido a BERGHAHN Publisher (Oxford-New York) PRELO.
Paper

  • - The evolution of the Portuguese Hotel Sector (1950-1995). Procedings of the conference : «Europe at the seaside. The Economic History of Mass Tourism in the Mediterranean Sea» Palma de Maiorca, em 21 e 22 de Fevereiro de 2003, organized by The Society for European Business History, The Universiy of Balearic Islands and The University of Florence (sponsored by the Governement of the Baleares Islands), Working Papers Series, CEEApla, Centro de Estudos de História do Atlântico, FCT, December 2004.
9) Artigos em fase de Preparação

  • Crops and Contract Choice in Madeira (1867-1967).
  • “A quality standard creation: The Case of Madeira Embroidery 1935-1958”.
  • Firm Networks in Madeira Embroidery (1914-1924 and 1935-1957).
14) Projectos em Curso

  • - Base de dados e Publicação: O Produto Regional Bruto da Madeira 1850-1981, Investigadora Responsável Coodenação Científica de Jaime Reis, Bolseira Liliana Nóbrega, Projecto financiado pela Fundação Gulbenkian, Caixa Geral de Depósitos, Instituto Regional de Emprego. O projecto encontra-se em fase de conclusão.

Adaptado de: http://www.uac.pt/ceeapla/pt/pdf/pessoas/mariacamara.pdf

«The Image and Tourism Industry of Madeira (1850-1914)» - Benedita Câmara

XIII Congreso de la Asociación Internacional de Historia Económica (Buenos Aires 2002)
http://eh.net/XIIICongress/cd/papers/4C%E2mara410.pdf

«Desenvolvimento e urbanismo no Arquipélago da Madeira» - Raúl da Silva Pereira

Análise Social, Vol. VII, 1969 (n.º 27-28), pp. 780-807
http://analisesocial.ics.ul.pt/documentos/1224254624Q2kUL6nd1Dy08NS8.pdf

«Ruralidade insular: a desagregação de comunidades tradicionais na Madeira. (Esboço de problemática)» - Jorge Freitas Branco

Análise Social, Vol. XIX (3.º-4.º-5.º), 1983 (n.º 77-78-79), pp. 635-644
http://analisesocial.ics.ul.pt/documentos/1223464413M0eOB0ua9Uw66YZ0.pdf

sexta-feira, maio 29, 2009

«A Madeira e o proteccionismo sacarino (1895-1918)» - Benedita Câmara

Análise Social, Vol. XXXIII (1.º), 1998 (n.º 145), pp. 117-143
http://analisesocial.ics.ul.pt/documentos/1221842419X3dET4yt2Sq44UG1.pdf

Novo Plano Editorial do CEHA

«A importância que assumiu o suporte digital no apoio à investigação e divulgação do conhecimento científico levou o CEHA a apostar neste mesmo suporte para o seu plano editorial, a partir da presente data.
Durante quase 25 anos o CEHA manteve uma actividade editorial apostada no suporte papel, não obstante algumas iniciativas isoladas em CDRom e DVD, ou mesmo de uso da Internet. Em 1994 avançámos com uma edição simultânea de um livro em papel e na Internet e agora queremos dar o salto qualitativo que faltava apostando apenas no suporte digital para as nossas edições.
Para os livros electrónicos publicados pelo CEHA o leitor contará com algumas possibilidades de leitura que facilitam o seu acesso, quer na leitura, quer nas pesquisas. Assim serão disponibilizados em DVD os vários formatos de leitura dos livros que irão permitir ler directamente num ecrã de computador ou apenas num e-book reader. A nossa principal aposta será no formato em PDF, nas dimensões de uma página A4, que permitirá uma fácil impressão com qualidade e uma busca integral no texto.
Para além desta aposta no suporte digital temos ainda de referir a novidade da publicação de um Anuário que surgirá no primeiro semestre de cada ano. Pretende-se que o mesmo seja o porta-voz das actividades científicas do CEHA. Assim, teremos um apartado dedicado ao relatório de actividades e divulgação preliminar sobre os estudos dos temas em investigação. Cada volume terá um tema principal, coordenado por um especialista na matéria.
A partir de agora o plano editorial do CEHA será definido pelas seguintes colecções:
1 – TESES. Para publicação de teses de licenciatura, mestrado e doutoramento.
2 – DEBATES. Para a divulgação dos debates e comunicações acontecidos em conferências, seminários e congressos
3 – ESTUDOS. Para estudos especializados desenvolvidos de forma isolada ou no âmbito de Linhas e Projectos de Investigação
4 – DOCUMENTOS. Divulgação de documentos e textos de autores clássicos
5 – Anuário do CEHA»
in Newsletter 1 - Abril de 2009
Triste notícia para aqueles que como eu gostam dos livros e não muito dos ebooks .
Será nos retirado o prazer de manusear e folhear um livro. Claro que alguns dirão que é grátis e acessível, mas esta decisão é apenas economicista pois a publicação de uma obra implica elevados custos. Poderemos imprimi~los se assim o desejarmos, se tivermos disponível essa opção, mas não é o mesmo que um livro.
Por vezes perguntam-me se já li todos os livros da minha biblioteca, mentiria se dissesse que sim. Muitos já os li na íntegra, de alguns apenas alguns capítulos, de outros apenas algumas páginas, alguns são apenas para consulta, outros são mesmo de colecção e os restantes serão lidos no futuro ou não.
Quantos como eu gostam de ir à sua biblioteca e escolher um livro para lêr nos momentos livres. Um que ainda não tenha sido lido ou mesmo reler algum.

Centro de Estudos de História do Atlântico

A página do Centro de Estudos de História do Atlântico (CEHA) encontra-se disponível em:
http://www.madeira-edu.pt/Default.aspx?alias=www.madeira-edu.pt/ceha

Apresenta uma nova imagem e acima de tudo os links estão activos (nem todos).
Convido todos aqueles que se interessam pela história local a visitar esta nova página.
Faço público os meus agradecimentos ao Dr. Alberto Vieira, ilustre historiador madeirense, pelo seu empenho e dedicação em prol da divulgação da história da Madeira e grande impulsionador do CEHA.

«Para este primeiro número destacamos a nova página da Internet do CEHA, disponível desde Janeiro do presente ano, que apresenta novas funcionalidades e nova informação, e ainda uma reformulação dos conteúdos antigos. Durante o primeiro semestre do presente ano a página estará em actualização pelo que alguns conteúdos poderão ainda não estar totalmente disponíveis.
Recorde-se que o CEHA mantém desde 1994 uma pagina na Internet que tem sido um ponto de referência para os estudos insulares no espaço atlântico. A nossa ambição é de que a mesma se transforme a partir de agora como uma referência para os estudos insulares em todo o mundo.
A nova página apresenta uma opção distinta das anteriores dando enfoque primordial às áreas de investigação e ensino. Enquanto na primeira estão disponíveis recursos (inventários e catálogos, documentos, textos e livros, mapas, imagens) de apoio à investigação no domínio das ilhas, com especial atenção para o espaço atlântico, já no segundo estarão disponíveis recursos para apoio ao ensino da História, de forma especial a temática madeirense, para uso dos professores e alunos. Alguns dos espaços agora disponibilizados terão o acesso condicionado, quer a funcionários, investigadores, membros dos Conselhos Científico e Consultivo, quer aos professores.
As outras páginas do CEHA (http://www.ceha-madeira.net ou http://ceha.ilhas.googlepages.com/) serão progressivamente desactivadas em favor desta, que oferecerá maiores funcionalidades e conteúdos.»
Nota: Notícia retirada da Newsletter 1 - Abril de 2009

terça-feira, maio 26, 2009

Manuel Alvares in Livraria Castro e Silva

Está disponível no VII Catálogo de Livros Raros da Livraria Castro e Silva a seguinte edição da Gramática Latina:

2. ALVARES. (Manuel)
EMMANVELIS ALVARI E’ SOCIETATE IESV, De Institutione Grammatica Libri Tres. Quibus nunc primúm copiosissimus Index accesit. VENETIIS, Ex Unitorum Societate. 1585.
In 8.º de 19,5x14 cm. Com 526 pags. Encadernação da época em pergaminho.


€1500

«Fuentes españolas en la primeira polémica gramatical portuguesa del siglo XVIII (1721-1736)» - Rogelio Ponce de León Romeo

Fuentes españolas en la primera polémica gramatical portuguesa del siglo XVIII (1721-1736)
por Rogelio Ponce de León Romeo
da Universidade do Porto
Península. Revista de Estudos Ibéricos, nº 2, 2005.
http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/2971.pdf

«Padre Manuel Alvares» - Elucidário Madeirense

Alvares (Padre Manuel). Dizem antigos nobiliarios madeirenses que Afonso Alvares Columbreiro, natural duma povoação dos subúrbios de Sevilha, foi um dos primeiros e nobres povoadores do lugar da Ribeira Brava e que ali fundara as capelas de Santa Catarina e S. Bento no morgadio por ele instituído e que tinha a sua sede naquela freguesia. Uma sua neta, por nome Brigida Gonçalves e o marido desta João Mealheiro ou Malheiro, que tinham foro de fidalgos, foram os ascendentes do padre Manuel Alvares, que procede portanto de nobre linhagem, o que aliás pouco acrescenta aos seus incontestaveis méritos e virtudes. Seus pais eram Sebastião Gonçalves e Beatriz Alvares, que conservaram as regalias de nobreza herdadas de seus maiores.
Todos os seus biógrafos, incluindo o autor da Synopsis Annalium Societatis Jesu in Lusitania, afirmam que entrou para o instituto da Companhia de Jesus a 4 de Julho de 1546, tendo 20 anos, e que morreu em Évora a 30 de Dezembro de 1583 com 57 anos de idade. Deve, pois, ter nascido em 1526, época em que nesta diocese não era ainda regular o registo dos nascimentos, não se encontrando por isso o respectivo assento no arquivo paroquial da Ribeira Brava, como mais duma vez tivemos ocasião de verificar.
Amanhecera nele a vocação eclesiástica, pois já em 1538 recebera as ordens sacras, chamadas menores, das mãos de D. Ambrosio Brandão, bispo titular de Rocina, que viera a esta ilha exercer temporariamente as funções episcopais. Conta o padre Antonio Franco que aportando ao Funchal uma nau, que navegava para a Índia, lançara em terra por motivo de doença, um religioso da Companhia de Jesus, que se recolhera no hospital a tratar da enfermidade que o acometera. Fora visita-lo Manuel Alvares a fim de obter noticias e informações acerca dum seu antigo e condiscípulo, e do trato que teve com o religioso nasceu o desejo de abraçar a ordem de Santo Inacio, que desde a sua fundação, em 1540, gozava de extraordinária fama e atraía muitas vocações eclesiásticas. Em breve deixou a casa paterna e entrou na congregação dos Jesuítas em 1546, como já fica referido.
Durante os seus trabalhos escolares, em que se revelou um estudante de extraordinário talento, mostrou uma especial predilecção pelo cultivo das línguas mortas latina, grega e hebraica, e em breve se tornou, na primeira delas, uma verdadeira autoridade, sendo tido como um dos mais notáveis latinistas do seu tempo. Tinha também grande conhecimento das línguas siro-caldaica e árabe e conhecia ainda outras línguas orientais.
Das obras que escreveu, foi a sua gramática da língua latina De Institutione Grammatica que lhe deu renome universal. Para bem se aquilatar do seu valor, bastará dizer que, além das inúmeras edições que dela se fizeram em língua latina, foi traduzida em francês, inglês, alemão, espanhol, italiano, boémio, croata, flamengo, hungaro, polaco, chinês e japonês.
Depois dos Lusiadas, nenhuma obra de autor português logrou ser traduzida e reeditada tantas vezes. Edgard Prestage, no seu estudo sobre D. Francisco Manuel de Melo, publicado ha poucos anos, diz: "este trabalho... tem passado por mais de 400 edições, estando traduzido em todas as línguas, e uma versão chinesa foi publicada em Xangai em l869. Pouquíssimos livros scientificos têm tido assim três séculos de vida". José Silvestre Ribeiro, no seu Curso de Litteratura Portuguesa, afirma "que este ilustre madeirense é uma das glórias pedagógicas de Portugal e que o seu livro é a obra mais extensa e intensamente disseminada que tem tido a literatura portuguesa". Acrescenta ainda, para terminar as citações, o célebre e sábio bispo de Viseu, D. Francisco Alexandre Lobo: *ou no estado ecclesiastico ou na republica das letras não vejo outro portuguez que possa ser preferido a Jeronimo Osorio. Na união de uma e outra cousa não vejo portuguez que lhe possa ser igualado+.
Durante duzentos anos foram os livros de Manuel Alvares os tratados clássicos do ensino da língua latina em quasi toda a Europa. O aparecimento, porém, dos trabalhos de Antonio Pereira de Figueiredo e de Luiz Antonio Verney, por meados do século XVIII, deram lugar entre nós a muitas criticas e discussões acerca do valor da obra do célebre jesuíta, e os seus livros, com os progressos da ciência da linguagem no longo período de dois séculos, começaram a perder a autoridade de que gozavam, para o que também bastante concorreu a proibição feita pelo Marquês de Pombal de serem adoptados esses livros no ensino publico ou particular. No entretanto, ainda no segundo quartel do século XIX se fizeram cerca de vinte edições da sua gramática em diversos países da Europa.
Manuel Alvares, além do seu método de ensino da língua latina, escreveu outras obras, algumas das quais ficaram inéditas. A fama que aureolou o seu nome como escritor e erudito e ainda o grande prestigio de que gozava entre os seus confrades, tinham-no indicado para os cargos elevados da sua ordem, e assim foi reitor dos afamados colégios de Lisboa, Évora e Coimbra, revelando sempre a superioridade do seu talento e as eminentes qualidades do seu tacto governativo.
Terminaremos esta nota biográfica com as próprias palavras do autor da Bibliotheca Lusitana:- "De todas as virtudes religiosas era exemplar modelo, merecendo por ellas elogios do seu santo patriarca. Provada a sua tolerancia com uma larga enfermidade, faleceu com grande piedade no Colégio de Évora a 30 de Dezembro de 1583, com 57 anos de idade e 37 de religioso. Passados alguns anos, sendo aberta a sua sepultura em que jaz o seu cadáver se achou incorrupto".
Em Agosto de 1917, veio ao Funchal o Sr. Dr. Urbano Canuto Soares proceder, por ordem do Ministério da Instrução Publica, a alguns trabalhos acerca da vida e obras do padre Manuel Alvares.

Silva, Fernando Augusto da; Menezes, Carlos Azevedo de – ELUCIDÁRIO MADEIRENSE, Volume Primeiro, A-I, Funchal, Tipografia “Esperança”, 1921.
Volume Segundo, J-Z, Funchal, Tipografia “Esperança”, 1922.
Este Elucidário Madeirense já vai na sua quinta ou sexta edição, apesar de tudo continua a ser uma obra de referência. A partir da segunda edição, inclusive, a obra passou a ser publicada em três volumes.

«A Gramática Latina no Séc. XVI (...)» - Simão Cardoso

Outro texto sobre a Gramática Latina de Manuel Alvares.

http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/2703.pdf

«Historiografia Linguística e Reforma do Ensino (...)» - Telmo Verdelho

Nas minhas divagações na net encontrei este texto que fala sobre Manuel Alvarez entre outros.

(…) A gramática da língua latina de Manuel Álvares (Emmanvelis Alvari è Societate Iesv de Institvtione Grammatica libri três.), foi publicada pela priemira vez em 1572, (no mesmo ano de «Os Luíadas»)., e em breve se transformou em texto oficial para o ensino do latim em numerossímas escolas dos Jesuítas, espalhadas pelo mundo. Segundo o Pe. Springhetti contam-se (“stupete gentes!”) quinhentas e trinta edições deste manual. Em Portugal fizeram-se apenas 25, sendo 3 no século XVI, 13 no século XVII e 9 no século XVIII; mas na Itália enumeram-se uma centena de edições, das quais 21 ainda no século XIX; na Checoslováquia 71 e igual número na Polónia; 23 na Hungria, 20 na Lituânia e, além de muitos outros países, 22 pelo menos, foi ainda editada na China, no Japão e na Rússia.(…)
http://clp.dlc.ua.pt/Publicacoes/Historiografia_linguistica_memoria_ensino.pdf

terça-feira, maio 19, 2009

Leilão de Livros e Manuscritos


Livros e Manuscritos
Várias Proveniências
Leilão - 26 e 27 de Maio de 2009

IMPORTANTE COLECÇÃO DE VIAGENS
Catálogo elaborado por José Vicente
LEILÃO
26 e 27 de Maio de 2009

I Sessão
26 de Maio de 2009
3ª Feira às 21h30
lotes 1 a 462

II Sessão
27 de Maio às 2009
4ª Feira às 21h30
lotes 463 a 922

EXPOSIÇÃO
Sábado, 23 de Maio, das 15h às 20h;
Domingo, 24 de Maio, das 15h às 20h,
Segunda-Feira, 25 de Maio, das 11h às 20h.
MORADA
Rua Agostinho Lourenço (ao Areeiro) 20 C
1000 - 011 Lisboa
Tel.: (+351) 21 845 81 30 / 40 / 50
Fax: (+351) 21 846 23 63
E-mail: renascimento-sa@hotmail.com
http://www.renascimento-sa.pt/
O catálogo deveria estar disponínel no seguinte link

sexta-feira, maio 15, 2009

LEILÃO DA IMPORTANTE BIBLIOTECA DO DISTINTO BIBLIÓFILO DR. LAUREANO BARROS, ORGANIZADO PELA LIVRARIA MANUEL FERREIRA


Acabei de receber os catálogos (primeira parte) referente ao próximo leilão organizado pela Livraria Manuel Ferreira. Este primeiro leilão decorrerá entre os dias 21 e 23 e 28 e 30 de Maio.
Trata-se sem qualquer dúvida de uma excelente biblioteca, na qual constam muitas obras de muita raridade.
Aconselho a consultarem este catálogo (pdf) no blogue da Livraria Manuel Ferreira:
Esta livraria encontra-se a comemorar os cinquenta anos de existência, razão pela qual envio ao proprietário as minhas sinceras felicitações por este acontecimento.

PRINCIPIOS DE GRAMMATICA PORTUGUEZA - Francisco de Andrade

Andrade , Francisco de - PRINCIPIOS DE GRAMMATICA PORTUGUEZA ,  Funchal: Typographia Nacional, 1844. https://archive.org/stream/pri...